quinta-feira, 2 de setembro de 2010

A atuação do gerontólogo na formação e apoio a cuidadores de idosos

Por FLÁVIA RENATA FRATEZI




No contexto de cuidado ao idoso, insere-se um ator do qual muito tem se falado atualmente: o cuidador. Considerado a pessoa que cuida a partir de objetivos previamente estabelecidos pelas instituições especializadas ou pelos responsáveis diretos, ele zela pelo bem-estar, alimentação, saúde, educação, higiene pessoal, recreação, cultura e lazer do idoso.

Em face do aumento da demanda por pessoas qualificadas para cuidar do idoso e da compreensão da importância do cuidador no contexto de cuidado, tem-se visto o aumento do número de grupos de apoio e cursos para cuidadores. Especificamente, os cursos para formação e aprimoramento de cuidadores disponibilizam aos participantes informações sobre o processo de envelhecimento e a fase da velhice, com foco nos temas relativos à tarefa de cuidar. Dessa forma, são iniciativas que possibilitam ao participante entender e compreender a pessoa cuidada.

Ao final dos cursos, os alunos adquirem a competência de acompanhar, apoiar e cuidar dos indivíduos idosos, identificando necessidades que lhes são peculiares com o intuito de manter a autonomia, a independência e proporcionar uma melhor qualidade de vida.

Cuidar do outro gera uma série de sentimentos que se misturam. O cuidador, seja ele formal ou informal tem um estresse físico e emocional muito grande. Diante disso, ele apresenta algumas demandas que devem ser percebidas e, na medida do possível, supridas pelo profissional de saúde. Na voz dos próprios cuidadores¹, as principais dificuldades que possuem em relação à tarefa de cuidar são:

- falta de treinamento e orientação, necessidade de atendimento especializado e obtenção de informações sobre as doenças. Conforme a doença vai progredindo, o idoso apresenta novas necessidades de cuidado e o cuidador precisa adaptar-se para responder de forma adequada a elas;

- diminuição da rede de relações sociais, pois o cuidador restringe sua participação em atividades como: visitar pessoas, participar de eventos sociais e da vida em comunidade e em família;

- surgimento ou exacerbação de conflitos familiares, principalmente, pela falta de ajuda de outros membros da família, quando o cuidador é familiar;

- ausência de conhecimento técnico para saber como cuidar do idoso nas suas necessidades básicas, como higiene, alimentação, mudança de decúbito, cuidados com feridas, utilização de medicamentos;

- dificuldades financeiras, pois muitos cuidadores deixam seus empregos para cuidar, ou se aposentam, o que leva a uma diminuição da renda; além disso, aumentam os gastos com o idoso em decorrência das suas necessidades;

- alterações emocionais, com a presença de sentimentos complexos e ambivalentes, positivos e negativos, como tristeza, culpa, raiva, impotência, preocupação, carinho, gratificação;

- desgaste físico, com o aparecimento de problemas musculares e ortopédicos, alteração do sono e cansaço;

- alteração na vida pessoal, como mudança de casa, alteração da rotina, perda de trabalho;
- falta de reconhecimento do trabalho prestado ao idoso, tanto por parte do idoso quanto dos familiares;

- dificuldade e necessidade de compreender o idoso e entender a doença.

Após a participação nos cursos de formação para cuidadores de idosos, os alunos¹ relataram os seguintes benefícios: maior capacidade de autocontrole, especialmente quando o idoso apresenta alterações cognitivas; aquisição de conhecimento técnico, o que leva à realização de um cuidado melhor e com mais qualidade; aquisição de experiência, proporcionando crescimento pessoal; possibilidade de fazer novas amizades, ampliando, assim, a rede de apoio social; aprendizado; entendimento sobre a importância do auto-cuidado, percebendo que não pode cuidar do idoso se o próprio cuidador não estiver bem; aprendizado sobre a importância de ouvir e respeitar o idoso, deixando para trás atitudes paternalistas e preconceituosas, e compreendendo que o idoso, mesmo doente, pode ter sua autonomia preservada; ter com quem dividir, pois os cuidadores podem ser ouvidos, falar sobre seus medos, angústias e anseios, trocar conhecimentos sobre saúde, doença e compartilhar histórias com sujeitos que vivenciam situações semelhantes; melhorar a qualidade de vida do cuidador, do idoso e de seus familiares; e oferecer apoio ao idoso com confiança, sabendo que está realizando o cuidado de maneira adequada.

Portanto, na formação de cuidadores, o contexto de cuidado deve ser visualizado de maneira integral, visando a promoção, prevenção e recuperação da saúde não só do idoso, mas também dos seus familiares e cuidadores.

Devido às suas habilidades e competências, por ter conhecimento sobre o processo de envelhecimento e a velhice e sobre as necessidades de cuidado dos idosos em diferentes níveis de dependência, o gerontólogo é um profissional capacitado para coordenar, acompanhar e ministrar cursos de formação de cuidadores de idosos. O seu papel como formador é fazer com que o aluno apreenda as informações e, ao final do curso, seja capaz de colocar em prática o que aprendeu na sala de aula. Para isso, é necessário que ele utilize diversificadas estratégias de ensino, como por exemplo: aulas teóricas/expositivas, estudos de caso, aulas práticas, dinâmicas de grupo, discussões em grupo, soluções de problemas e dramatizações.


1. Pesquisa realizada pela autora, com participantes de cursos para cuidadores de idosos.

REFERÊNCIAS:
- BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Classificação Brasileira de Ocupações. Disponível em: http://www.mtecbo.gov.br/cbosite/pages/home.jsf  [Acesso em abr/2010].
- FRATEZI, FR; GUTIERREZ, BAO. Cuidador familiar do idoso em cuidados paliativos: o processo de morrer no domicílio. Cienc Saude Colet [periódico na internet]. Dez/2009. Disponível em: http://www.cienciaesaudecoletiva.com.br

Um comentário:

  1. Oi,

    O PlanSeQ oferece em 11 capitais os cursos grátis de qualificação em Cuidador de Crianças e Pessoas Idosas e em Belo Horizonte, além dele, é oferecido o curso de Cuidador de Pessoas com Ênfase em Doença Falciforme. Vale a pena dar uma olhada: www.essachanceesua.com.br

    Obrigada,

    ResponderExcluir