quinta-feira, 15 de julho de 2010

Pesquisa: Cursos de Graduação em Gerontologia na América, Portugal e Espanha



Com o objetivo de analisar a oferta de cursos de graduação em Gerontologia na América, Portugal e Espanha, os resultados do estudo de Aline Silveira Viana (graduanda em Gerontologia UFSCAR), Profa Dra. Sofia Pavarini e Bruna M. Luchesi  indicaram crescimento do número de cursos de graduação em gerontologia.

Os dados foram coletados junto aos Ministérios de Educação, por meio de buscadores de carreiras disponíveis online e de Search Engenes. A pesquisa indificou 41 cursos, sendo que os Estados Unidos foi o país com maior concentração (n=17), seguido do Canadá (n=8), Portugal (n=6), México (n=4), Brasil (n=2), Argentina (n=2), Colômbia (n=1) e Panamá (n=1).

As autoras observaram que 85,37% dos 41 cursos ofertados receberam a denominação de Gerontologia.  A denominação de Gerontologia Social, inserida na modalidade Licenciatura, foi encontrada em 9,76% das instituições localizadas. No período de 2001 à 2010 foram criados 53,85% dos 26 cursos analisados, representando sete vezes mais oferta de cursos de graduação em Gerontologia em relação ao período de 1971 à 1980, quando havia apenas dois cursos, um criado em 1978 pela Université de Montreal (Canadá) e outro na University of Massachusetts Boston (EUA) ofertado em 1980.

Em relação aos objetivos dos cursos, os mais citados foram: 
- A associação entre teoria (conhecimento biopsicossocial) e prática, e também sobre o desenvolvimento das habilidades para trabalhar com o público idoso e com as necessidades que se destacam na prestação do cuidado;
- A formação de profissionais pautados no trabalho multi- e interdisciplinar;
- O aumento da qualidade de vida e o desenvolvimento na qualidade do serviço prestado.


Das universidades que dispunham de informações sobre o perfil profissional, as habilidades mais citadas envolveram:
- atuação e a pesquisa sobre o público idoso e sua comunidade;
- relevância da reflexão e do agir interdisciplinar em diferentes contextos;
- importância da análise e articulação das políticas públicas;
- capacitação de recursos humanos; 

Em síntese, as autoras concluíram que houve uma tendência clara de crescimento no número de cursos deste tipo nos últimos anos nos países estudados. Constatou-se que a formação de profissionais para lidar com as diferentes necessidades sociais e de saúde desta população se faz cada vez mais necessária.
 
Para mais informações, entre em contato com Aline S. Viana: aline_geronto@hotmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário